Avançar para o conteúdo principal

A voz do GPS: Chegou ao seu destino!





São palavras do GPS, metalizadas e frias de emoção. E temos aquela sensação estranha de saber se ficamos ou não contentes por chegar ao "destino", qualquer que seja.
E quem não quereria viver a vida como se fosse um programa de GPS com o percurso calculado, previsão de chegada, estado da via, etc.? Eu não.
A minha vida foi feita de estradas e encruzilhadas, sem GPS que me valesse. Olhando atrás só posso estar grato por, apesar dos "avisos à navegação" de vontades alheias, por bem intencionadas que fossem, ter feito as escolhas que fiz, as boas e as más, que me ensinaram tudo aquilo de que já não vou precisar nesta vida. Talvez, e o mais certo, é vir a precisar de tudo isso quando chegar ao momento que tanto é "chegada" como partida.
"Partir" e "chegar" são as duas faces da mesma moeda.
Quando começamos a viagem, deixamos atrás o "peso" dos minutos, horas e dias que fizeram parte daquele passado. E não voltamos a dar-lhe muita importância até que a "saudade" se torne mais forte do que o "presente". Aí lambuzados com as nossas tristezas procuramos consolo na física da saudade. Quem nunca escorreu lágrimas, depois de estar meses afastado do "lar", ao ouvir aquela música do passado ou olhar a fotografia que traz ao presente, alegrias e até mágoas de que sentimos falta? E os cheiros, os sabores, as cores...
Como todos, também fui viajante do tempo e da vida e estou agora próximo dessa chegada ao "destino" que é também "partida". A única diferença é que não tenho fotografias guardadas e tenho uma péssima memória auditiva. Fui rasgando os momentos de papel, por aqui e por ali, e das baladas que me rimaram e dançaram os dias sinto, de vez em vez, uma brisa que não chega a trazer-me os cheiros de um passado longo e doloroso.
Não me quero queixar e mais confirmo que faria tudo de novo da mesma maneira. Quiçá não me teria deixado levar tantas vezes pelo coração em detrimento da razão, apenas isso. Quanto ao resto, acho que não mudaria uma vírgula.
Foi bom? Foi mau?
Foi tudo isso e tanto mais que nem sei onde levar tanta bagagem. Acho que vou ter que deixar alguma nos "achados e perdidos".

Comentários

  1. Podrías haber puesto un traductor no?
    Me gustaría poder leerla...jaja un fuerte abrazo de:
    Don Quijote de la Mancha

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!

Mensagens populares deste blogue

Uma Barca no Rio Dos Dias

Pendurei minhas memórias no cabide do amanhã. Voltei as costas a um passado que me foge da lembrança. Já não sou quem fui e sei que serei sempre o que hoje não sou.
  Agora, no abrigo de dias por vir, dispo esse antes e deixo que o calor dos sonhos me abrace a noite do hoje. Ficam ecos que se perdem em distâncias onde se calam os silêncios!
  Neste rio dos dias sem ontem, deixa-se meu destino feito barca, beijar pelo passar de um tempo que nunca foi. Vazio que reste, menos será que a montanha feita de ontem. Foram-se os remos, rasgou-se o estai e escorre minha barca como uma lágrima sobre a face das águas. Sem caminho e sem  julgar destino.
  Ruboresce o horizonte a jusante, prenhe de dias idos que se escondem pelos esquecidos montes que atrás deixo, neste caminho que leva ao mar dos tempos, onde desaguam todas as lágrimas que vertem as almas feitas barcas.

Inferno

Que dias estes em que me sobram horas. Momentos de nada fazer, pedaços de eternidade ínfima atravessados numa tarde feita de inferno. Brutal manhã que jaz a meus pés, senhora de um futuro em que se não contam tempos. Palavras que se derretem na brisa morna que não me acalma a alma. Escorrem minutos como se fossem horas, dias.

Já Não Quero Que a Saudade Regresse!

Os amigos do princípio eram os companheiros do sonho de infância, povoando o imaginário de aventuras em que do nada se fazia tudo: bastava sonhar! Navegámos dias de todas a cores e, às vezes, tantas, só a preto e branco. Mas o que queríamos mesmo era voar nas asas do sonho. Éramos crianças!
  Desses tempos me chegam aguareladas memórias e de quando em vez, um pequeno arrepio de tristeza esfria-me a nuca. De tão novo me ficaram lembranças de companheiros em quem, já tão cedo, vi mares de egoísmos e maldades das que não alcanço lembrar mais do que esse ligeiro frémito. Éramos crianças!
  Fomos crescendo e, no meu mundo de aventuras, arrastado às costas da família andarilha, de terra em terra, fui deixando e colhendo em toda a parte saudades. Não lembro nomes. Recordo árvores, mato grosso e escuro, em recantos de aventura; savanas poeirentas, lar de feras; picadas de longos, largos e fundos trilhos; areias escaldantes, mordidas de pinha casuar; mar lúcido, feito esmeralda e correria m…