Avançar para o conteúdo principal

As Asas De Uma Galáxia

  Desesperamos pelo medo de vermos o sonho ser lapidado pela realidade crua com que se vestem as auroras. Perdemos o sentido no rodopio da flor do vento e deixamos negra e fugidia a figura que limitou o destino encalhar nas costas do mar de noites em vão. Somos apenas um nem-grão-de-areia na esfera que se perde na imensidão de uma glória feita de minutos que carregam séculos. Cada hora espraia seu cântico nas cordas do bater de alma com que os vivos se derrotam a si mesmos.
  Já quase somos o quase nada que seremos depois do fim dos dias. Caminhamos de mãos dadas com o esquecimento e fazemos juras de fidelidade a destinos que sabemos nunca nos vir visitar. Resta olhar a maré dos dias que nunca acabam em noite e das noites que nunca dasaguam na foz da manhã.
  No céu incolor que as nossas asas ciam, nem deixamos o rasto do ar que respiramos, rarefeito na sua perfeita  e imota cronologia. Somos cada dia um nada mais pequeno e invisível, mergulhado numa imensa galáxia feita de pequenos nadas e grandes sonhos. E tal como nós, esvai-se a consistência desses sonhos realizados, nas areias de uma clepsidra que ninguém ousou virar do avesso. O princípio torna-se fim em si mesmo; a certeza vagou lugares; a verdade é mentira. Tudo se reduziu ao seu não. Tudo é vaidade, dizia o pregador em Jerusalém. Mas não: também a vaidade se ajoelha um dia perante o nada que faz de todos nós um destino sem princípio.
  Mas voamos ainda galgando minutos, horas e dias, doirando cada bater da alma com a tinta que vai caindo, rasgada pelos pedaços de tempo sem princípio nem fim que nos servem de asas. Esperamos inquietos a imobilidade eterna onde apenas teremos por companhia os sonhos que agora plantamos.


Comentários

  1. Nem sei que te diga...!Sabes aquela sensação de BORBOLETAS NO ESTÔMAGO? É isso!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Deixe aqui o seu comentário!

Mensagens populares deste blogue

Já Não Quero Que a Saudade Regresse!

Os amigos do princípio eram os companheiros do sonho de infância, povoando o imaginário de aventuras em que do nada se fazia tudo: bastava sonhar! Navegámos dias de todas a cores e, às vezes, tantas, só a preto e branco. Mas o que queríamos mesmo era voar nas asas do sonho. Éramos crianças!
  Desses tempos me chegam aguareladas memórias e de quando em vez, um pequeno arrepio de tristeza esfria-me a nuca. De tão novo me ficaram lembranças de companheiros em quem, já tão cedo, vi mares de egoísmos e maldades das que não alcanço lembrar mais do que esse ligeiro frémito. Éramos crianças!
  Fomos crescendo e, no meu mundo de aventuras, arrastado às costas da família andarilha, de terra em terra, fui deixando e colhendo em toda a parte saudades. Não lembro nomes. Recordo árvores, mato grosso e escuro, em recantos de aventura; savanas poeirentas, lar de feras; picadas de longos, largos e fundos trilhos; areias escaldantes, mordidas de pinha casuar; mar lúcido, feito esmeralda e correria m…

Domingo na Cidade

As ruas desertas mostram a nudez das horas. Um silêncio familiar atravessa os raios de sol mortiço que iluminam os entre-olhares dos recém amantes sentados pelos bancos da praça. Há promessas para nunca cumprir e o sempre que se sussurra não passa de uma jura inocente de que a primavera vai durar para a eternidade. Pelo correr das horas dir-se-ia que o peso do ar não deixa passar o dia.
  Num banco de jardim, cercado de andorinhões, os meus olhos prendem-se ao fio do horizonte na boca do rio e finge grades férreas nas colunas de uma ponte suspensa das nuvens. A cinza abafada do céu acinzenta os gestos de quem passa e apenas eu testemunho. a primavera.

Inferno

Que dias estes em que me sobram horas. Momentos de nada fazer, pedaços de eternidade ínfima atravessados numa tarde feita de inferno. Brutal manhã que jaz a meus pés, senhora de um futuro em que se não contam tempos. Palavras que se derretem na brisa morna que não me acalma a alma. Escorrem minutos como se fossem horas, dias.